abr 25 2019

À espera de maio


O lento escoamento de carne bovina reduziu a necessidade de compra dos frigoríficos, com isso, o mercado perdeu o fôlego visto nas últimas semanas.

Todavia, as chuvas prolongadas nesse ano permitiram aos pecuaristas reter os animais na fazenda, o que limitou as quedas.

Na média das trinta e duas praças pesquisadas pela Scot Consultoria, considerando a segunda quinzena de abril, o preço do boi ficou estável.

A margem de comercialização das indústrias que realizam a operação da desossa está em 17,4%, abaixo da média histórica, o que, em 2019, tem sido comum para as indústrias, porém, este não deve ser um fator limitante, ou seja, os frigoríficos podem pagar preços maiores pela arroba caso haja necessidade.

Apesar da demanda em baixa, o que era esperado para esta época do mês, os estoques estão reduzidos. E, com a virada de mês se aproximando e os feriados que estão por vir, a expectativa é de que o consumo melhore a partir da próxima semana, o que pode dar fôlego para o mercado do boi gordo no início de maio.

Fonte: Felippe Reis / Scot Consultoria