abr 22 2019

Como o zebu ajudou o Brasil a formar um rebanho de alta genética


Escoltado por uma matilha barulhante de fox-paulistinhas, o touro Nasik Perboni, de 9 anos, desfila sua 1,15 tonelada no pasto da Fazenda Ipê Ouro, em Uberaba, no Triângulo Mineiro. Grande campeão da Exposição Internacional do Nelore (Expoinel) em 2012, uma das mais importantes exposições da raça, o touro coleciona títulos de melhor reprodutor e tem 27 mil filhos.

Nasik é o orgulho do veterinário Arnaldo Manuel de Souza Machado Borges, dono do animal em parceria com a HRO Empreendimentos e Agropecuária Ltda, de Arandu (SP). Proprietário da Ipê Ouro, ele orientou a escolha dos animais em 300 mil acasalamentos de bovinos em fazendas de todo o Brasil. É um número expressivo.

Poucos especialistas conseguiram igualar a marca de Arnaldo, resultado do empenho técnico e da atuação em várias regiões do país. Ele é presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), entidade cuja sede fica em Uberaba e que está comemorando 100 anos de existência.

Arnaldo, de 66 anos, que seleciona bovinos das raças nelore e gir, faz parte da terceira geração de uma família de fazendeiros. “A criação teve início em 1906, com meu avô. Depois, meus pais viveram na Ipê Ouro por 60 anos”, diz.

Enche os olhos observar a pastagem verdejante, farta e bem cuidada de braquiarão, mombaça e tanzânia da Ipê Ouro. As dezenas de árvores espalhadas pelos pastos propiciam sombra e conforto ao gado, assim como os bosques refrescantes. Lá tem uma frondosa árvore chamada jambolão, originária da Índia, pátria de nascimento das raças zebuínas, como as duas criadas na Ipê Ouro. As condições naturais de manejo influenciam a docilidade do gado.

O rebanho da Ipê Ouro reúne 300 matrizes nelore e 60 matrizes gir. “Usamos inseminação artificial e fertilização in vitro (FIV)”, diz Arnaldo. A fazenda comercializa animais em leilão na própria sede e este ano vai montar um shopping na ExpoZebu, que está marcada para o período de 27 de abril a 5 de maio (leia abaixo).

Vende ainda touros para o Programa Pró-Genética, criado pela ABCZ, experiência coroada de êxito que negocia reprodutores com os pequenos e médios criadores a preços mais baixos que os do mercado e em suaves prestações mensais.

O programa é a menina dos olhos da ABCZ por ter melhorado a vida de pecuaristas cujo plantel era de pouca qualidade e com produção de leite sempre baixa, condição que os desestimulava.

É um exemplo de aproximação com o criador. “O programa viabiliza a aquisição de touros puros de origem (PO) com registro genealógico definitivo, que podem ser comprados em feiras ou em leilões chancelados. O pecuarista ainda recebe assistência técnica”, explica João Gilberto Bento, superintendente comercial da ABCZ.

Fonte: Globo Rural