mar 29 2019

Produção de carne suína deve passar a de carne bovina até 2028: USDA


A produção de carne suína está projetada para superar a produção de carne bovina em pouco mais de 13,6 bilhões de quilos até 2028, disse o USDA em um novo Relatório de Projeções de Longo Prazo.

A produção de carnes vermelhas e de aves aumentarão cada vez mais no período, de acordo com o relatório interinstitucional, que cobre projeções de commodities agrícolas, comércio e indicadores como tendências macroeconômicas e renda agrícola na próxima década.

Espera-se que os preços crescentes do milho e os preços mais baixos da carne suína na primeira metade da década diminuam a razão entre o preço da carne suína e o preço do milho, criando incentivos para diminuir os partos. Mas o aumento dos pesos de abate e a continuação da comercialização da indústria sustentam a tendência ascendente na produção de carne suína.

Espera-se que o número de bovinos caia durante a segunda metade do período previsto, mas os pesos mais altos de abate também apoiam os ganhos na produção de carne bovina. No geral, os níveis de produção de carne bovina devem subir menos de 1% ao ano, aumentando de quase 12,7 bilhões de quilos em 2019 para quase 13,6 bilhões em 2028.

Enquanto a produção de suínos é vista na esteira da produção de carne bovina durante a maior parte da década, espera-se que ultrapasse a produção de carne bovina até 2028.

Espera-se que o abate de frangos de corte caia na próxima década, mas o crescimento contínuo nos pesos de abate deve levar à expansão da produção de frangos de corte. Espera-se que os produtores de peru vejam um aumento lento nos preços na próxima década, com uma produção de peru relativamente estável.

Estima-se que os preços nominais para bovinos de corte e frangos de corte caiam durante a maior parte da próxima década, uma vez que a produção supera a demanda, enquanto os preços de suínos e perus devem permanecer estáveis ou aumentar lentamente após uma queda inicial. Menores preços de gado, suínos e frangos devem contribuir para a queda nas receitas na primeira metade da década.

Exportações

Apesar do dólar forte, as exportações de carnes vermelhas e aves dos Estados Unidos crescerão nos próximos 10 anos, à medida que o crescimento econômico global estável e o aumento da renda nas economias emergentes e em desenvolvimento apóiam a demanda externa.

Os Estados Unidos devem exportar mais carne bovina do que importam durante o período de previsão. Apesar do crescimento modesto nas exportações, a participação dos EUA nas exportações mundiais de carne bovina entre as 11 maiores regiões exportadoras do mundo está diminuindo lentamente. Os Estados Unidos são o quarto maior exportador de carne bovina atrás do Brasil, da Índia e da Austrália, que em grande parte enviam produtos de carne bovina produzida a pasto.

Fonte: Beef Point