dez 10 2018

Joesley relata ao STF que sofreu ameaças e sugere que foram de Cunha


O empresário e delator Joesley Batista, um dos donos da JBS, fez uma petição nessa sexta-feira ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, pedindo providências contra supostas ameaças sofridas por ele na semana passada. Ele citou telefonemas solicitando dinheiro e chamadas para a PM ir à casa dele, em São Paulo.

Sua defesa sugere que as ameaças podem ter partido do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB-RJ), preso pela Lava-Jato no Paraná e um dos alvos da delação da JBS, firmada em 2017.

Os advogados solicitam a Fachin, relator da delação da JBS no STF, que determine à PF que investigue as ameaças. A reportagem não conseguiu localizar a defesa de Cunha.

O documento narra que, no dia 28, Joesley prestou depoimento à Justiça Federal em ação que tem como réus Cunha, o ex-deputado Henrique Alves (MDB-RN) e o operador financeiro Lucio Funaro. Segundo os advogados de Joesley, a defesa de Cunha fez perguntas com “cunho nitidamente pessoal” ao delator.

“Tais indagações não só fugiram do contexto da acusação como também procuraram atingir esse relator [Fachin]”, disse a defesa, que anexou à petição uma representação criminal encaminhada à PF paulista, na qual afirma que, na audiência, os advogados de Cunha perguntaram a Joesley qual era o seu endereço em São Paulo.

As ligações, segundo a defesa, foram atendidas por funcionários e traziam um recado a Joesley: “’Aqui quem fala é o delegado da PF amigo dele, para quem ele deve. Anote o número de uma conta: Caixa Econômica […] e mande depositar R$ 50 mil. Diga que Eduardo está chegando em Brasília’”.

Para os defensores, os dizeres “denotam ameaça velada”: a menção à Caixa seria uma alusão à Operação Sépsis, que originou a ação em que Cunha, Alves e Funaro são réus. A Sépsis investigou desvios no banco estatal e políticos do MDB.

Fonte: Valor