dez 3 2017

Aplicativo da ABCZ amplia acesso a alta genética zebuína


Uma ferramenta digital está revolucionando o jeito de comercializar gado no Brasil. Por meio de um aplicativo recém-lançado pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), é possível encontrar pelo celular exemplares da raça e com a genética desejada pelo pecuarista. O melhor touro ou a melhor matriz agora estão ao alcance de alguns cluques.

A plataforma ganhou o nome de Pró-Genética Online, e foi desenvolvida com o objetivo de levar praticidade e ampliar o acesso de pequenos e médios criadores à alta genética zebuína. De acordo com o zootecnista Edson Antônio Filho, técnico ligado ao projeto, o aplicativo vai proporcionar uma democratização ao melhoramento genético.

O gerente regional da Emater-MG, Gustavo Laterza de Deus, afirma que o pecuarista nem sempre pode esperar a realização de uma feira em sua região para ter acesso a animais superiores. “O aplicativo vai fazer a ponte para o produtor rural que precisa do touro melhorador, que é uma tecnologia que vai fomentar a atividade pecuária, e assim ele vai obter melhoria de renda”, diz.

Através do sistema de busca da ferramenta, o aplicativo informa as opções de venda, de acordo com a escolha da raça, da idade do animal, da região onde está a propriedade, entre outras informações. Se o perfil do animal não é encontrado, é possível fazer contato com o criador mais próximo.

Laterza afirma que a ABCZ revela no aplicativo dados suficientes para indicar a performance do animal. “Mostra o máximo de informações que possam auxiliar o produtor a tomar sua decisão”.

Até o momento, 73 criadores de 12 estados e do Distrito Federal disponibilizam cerca de 300 animais no aplicativo. Para utilizar a plataforma, o criador precisa atender alguns requisitos e fornecer informações importantes sobre o gado. É preciso oferecer animais com idade entre 18 e 42 meses, com registro genealógico definitivo e exames de saúde em dia, além de informações sobre o desempenho nos programas de melhoramento genético.

A criadora de gado de corte Leila Borges de Araújo vem negociando com três produtores por meio do aplicativo. Ela conta que os criadores a procuram já indicando o tipo de animal de que precisam, de acordo com a proposta de trabalho que aplicam em sua propriedade. “Uma das criadoras, veterinária, já veio com todos os dados sobre genealogia dos animais de interesse dela. Então ela já veio direcionada porque têm fazenda de gado de corte, vendem para frigorífico, com cota Hilton, então quer touros de repasse, de rebanho, mas que dessem resposta em termos de peso ao abate”, exemplifica.

Fonte: Canal Rural