dez 4 2017

Demanda fraca no varejo causa queda nas cotações do leite no Brasil


"A expectativa era de uma queda menor", declara o analista da Scot Consultoria (Bebedouro/SP), Rafael Ribeiro. O preço médio do leite ao produtor brasileiro voltou a cair em novembro, refletindo a oferta crescente da matéria-prima devido ao período de safra, mas a retração superou a expectativa. No mês passado, os produtores receberam, em média, R$ 1,041 pelo litro do leite entregue em outubro, um recuo mensal de 1,6%, de acordo com levantamento da Scot.

Ribeiro explica a expectativa de queda menor devido aos preços do leite longa vida no atacado haviam esboçado reação em outubro. No entanto, segundo o especialista, a tentativa dos laticínios de melhorar suas margens não foi bem-sucedida uma vez que a demanda no varejo continuou fraca.

Diante disso, os preços do leite longa vida no atacado voltaram a recuar em novembro, assim como no varejo. Segundo levantamento, no mês que se encerra, o longa vida caiu R$ 0,05 no atacado paulista, para R$ 2,13 o litro. No varejo, o recuo foi de R$ 0,04, para R$ 2,81 por litro.

Considerando que a demanda doméstica por lácteos segue fraca e que o pico da safra de leite ainda deve ocorrer em dezembro nas principais regiões produtoras (Minas Gerais, Goiás e São Paulo), a tendência é de novas quedas nas cotações ao produtor até o fim do ano, avalia Rafael Ribeiro.

Segundo o Índice Scot de Captação de Leite, a produção de leite na média do país subiu 1,1% em outubro sobre setembro, e dados parciais indicam novo aumento, de 0,9%, em novembro sobre outubro passado.

Para Rafael Ribeiro, neste fim de ano, o consumo interno de leite longa vida deve seguir patinando, mas a demanda por outros produtos lácteos, como creme de leite e leite condensado, deve crescer em função das festas de fim de ano. A expectativa é que a demanda doméstica por lácteos comece a melhorar em 2018, mas, inicialmente, ainda em ritmo lento.

Fonte: Feed&Food