mai 2 2018

Clima pesando em cima da arroba


O início do mês traz consigo o pagamento regular de salários e esse incremento na renda da população é um fator que, pontualmente, faz crescer o consumo de carne bovina.

No atacado, os preços estão firmes há três semanas, resultado da estratégia dos frigoríficos de reajustar a produção (veja mais na página 10).

Este cenário de aumento da demanda poderia trazer um prognóstico de melhora para a cotação da arroba, mas o componente que se sobressai nos fundamentos dos preços é a desova de final de safra.

Para se ter uma ideia, no fechamento de abril, na média das 32 praças pesquisas, a arroba caiu 2,0%. Em São Paulo, a arroba iniciou o mês cotada em R$145,50, a prazo, livre de Funrural, e terminou em R$142,00, queda de 2,4% no período.

Em Goiás, a situação foi ainda mais crítica, recuo nas referências de 4,5% em torno de Goiânia e 4,1% na região sul do estado, neste mesmo intervalo.

Em curto prazo, a melhora nas vendas de carne poderia amenizar um pouco a intensidade das quedas, mas invariavelmente o mercado continuará pressionado no decorrer de maio.